EXCELENTE APARTAMENTO DE 70 M² À VENDA - VILA SÃO GERALDO - BEM LOCALIZADO PRÓXIMO AO SHOPPING CENTER PENHA

Rua Caquito, 274 - Vila São Geraldo - São Paulo/SP
2 quartos
1 banheiro
70 m² útil
1 vaga
Armário Cozinha
Salão com Jogos
Armário Banheiro
Quadra Poliesportiva
Playground

Sobre o imóvel

Apartamento à venda com 2 quartos, 1 vaga e 1 banheiro. Localizado em Rua Caquito, no bairro Vila São Geraldo em São Paulo.

Desfrute de um apartamento, com diversas comodidades como:
  • Portaria 24h
  • Lavanderia
  • Sala
  • Elevador
  • Armário Cozinha
  • Salão com Jogos
  • Andar Alto

Descrição

EXCELENTE E ACONCHEGANTE APARTAMENTO DE 70 M² À VENDA NA VILA SÃO GERALDO, EM UMA ÓTIMA LOCALIZAÇÃO, AO LADO DE SHOPPING E COLEGIO. SEGUE AS INFORMAÇÕES DO IMÓVEL: - COZINHA - SALA - 2 DORMITÓRIOS - 1 BANHEIRO - 1 VAGA - 70 M² INFORMAÇÕES SOBRE O CONDOMÍNIO: - QUADRA - PARQUINHO - SÃO DE FESTAS PROXIMO DE: - TERMINAL PENHA - COLÉGIO ESTADUAL NOSSA SENHORA DA PENHA - MOVIECON PENHA - SHOPPING CENTER PENHA - COLÉGIO OBJETIVO PENHA - ETEC PROFESSOR APRÍGIO GONZAGA CONHEÇA A HISTÓRIA DO BAIRRO: Surgido oficialmente em 1º de janeiro de 1952, tem como ponto de referência a praça São Geraldo. A ocupação da área atual do bairro remonta a década de 50, quando a Prefeitura realizava obras de captação de água no local[2] e o terreno foi loteado pela construtora Giffoni & Cia sob a denominação de Vila Mariana de Abreu. A vila compreendia a área entre as antigas estações ferroviárias do Horto Florestal e de Freitas. A partir do decreto 3.049 de 22 de abril de 1977, a vila passou a ser denominada Bairro Mariano de Abreu. Posteriormente, tornou-se oficialmente Bairro São Geraldo em referência ao santuário localizado na praça do bairro. Este grupo tem como regra a proibição de conteúdos de propaganda comercial ou politica, discussões sobre futebol ou questões religiosas. Divulgações como venda de itens domésticos, locações e vendas de imóvel ou qualquer outro item pessoal ou prestações de serviços mediante aprovação do moderador. Será autorizada divulgações culturais em benefício da comunidade. CONHEÇA A HISTORIA DA ZONA ONDE ESSE BAIRRO É LOCALIZADO: Zona Leste de São Paulo A Zona Leste de São Paulo é genericamente a área do município brasileiro de São Paulo situada a leste do rio Tamanduateí. Embora não exista uma lei definindo claramente os limites da Zona Leste, a maioria dos órgãos públicos e privados concordam em incluir na região as subprefeituras da Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista, Itaim Paulista, Guaianases, Itaquera, Cidade Tiradentes, São Mateus e Subprefeitura de Aricanduva/Formosa/Carrão. Na maioria das vezes também é incluída a Subprefeitura da Mooca (parte também do Centro Expandido) e as subprefeituras de Vila Prudente e Sapopemba e a Subprefeitura do Ipiranga. Oficialmente porém, definem-se as seguintes zonas: Zona Leste 1 de São Paulo Zona Leste 2 de São Paulo Zona Sudeste de São Paulo História A região onde hoje é a zona leste fora ocupada por tribos indígenas, como a guaianá, que formou a Aldeia Ururaí em 1580. Os colonizadores portugueses que buscavam rumos para o oeste sofriam constantes e violentos ataques indígenas pelo caminho por terra. Então os rios Tietê, Tamanduateí, Aricanduva e seus afluentes tiveram um importante papel nas bandeiras. Estas utilizavam as vias fluviais para garantir segurança e maior rapidez. Pouco a pouco, as localidades banhadas por esses rios, áreas distantes do Centro Histórico de São Paulo, foram povoadas, exemplo de: Mooca, Tatuapé e São Miguel Paulista.[1] Na última, o primeiro núcleo populacional da zona, houve a fundação da primeira igreja por meio dos jesuítas no ano de 1622, sendo estabelecida a Capela de São Miguel Arcanjo. Com o passar dos anos, a região ganhou importância, pois fazia a ligação de São Paulo e Rio de Janeiro.[1] O município de São Paulo expandia-se, e seus territórios mais distantes tornavam-se propriedades rurais. Vilas eram criadas ao redor de igrejas, sendo assim criados novos bairros, como a Penha.[1] No final do século XIX, o município industrializa-se e as antigas propriedades rurais são substituídas por indústrias e bairros proletários, caso de Vila Matilde e Vila Formosa. Houve, também, uma extensão da malha ferroviária paulistana, que escoava as mercadorias.[1] Através da imigração, a população multiplicou-se descontroladamente e os bairros operários passaram a sofrer marginalização, por serem desprovidos de infraestrutura. Os imigrantes vindos predominantemente da Itália, Espanha, Japão, Síria e Líbano estabeleceram tradições de suas culturas em seus bairros, forte exemplo da Festa de San Gennaro e Clube Atlético Juventus na Mooca. Na Vila Zelina, Vila Alpina e Vila Bela, região da Vila Prudente, há forte influência de povos eslavos.[2] As fábricas existentes, primeiramente produtoras de tecidos e alimentos, são gradativamente substituídas pela indústria pesada e construção civil. As mesmas passam a exigir grande quantidade de mão de obra. A imigração diminuía a cada ano, e começou a haver a atração de milhões de migrantes oriundos da Região Nordeste do Brasil.[2] As regiões periféricas recebiam novos moradores, que, por falta de fiscalização do Governo, construíam suas moradias em áreas sem infraestrutura, saneamento básico, eletricidade, dentre outros aspectos. Surgiram, então, os bolsões de pobreza vistos na maioria dos distritos das regiões Leste 1 e 2. Aliado à decadência da indústria paulistana, a zona enfrenta inúmeros problemas, fazendo com que registre a pior renda média familiar e a menor concentração de atividade econômica, sendo uma das mais pobres do município.[1] Na cultura popular Na Zona Leste, a presença da sede oficial do clube de futebol Corinthians no bairro do Tatuapé e a Arena Corinthians em Itaquera, ambos bairros da Zona Leste, é um dos principais motivos da forte identificação de grande parte dos moradores da região com a instituição e fazem com que haja uma forte ligação, entre os moradores da Zona Leste os torcedores da equipe paulista. Outro clube conhecido do futebol paulista, que tem a sua sede social e o seu estádio situado na Zona Leste, é o Juventus da Mooca. Na linguagem coloquial, a Zona Leste é frequentemente designada pela sigla ZL. Regiões Zona Leste 1 A Região Leste Um de São Paulo é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras da Penha, de Ermelino Matarazzo, de Itaquera e de São Mateus.[3] De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1 552 070 habitantes e renda média por habitante de 875,90 reais.[4] É uma região diversificada, tanto comercial, quanto residencial, que está em desenvolvimento, a qual está passando por processos de urbanização e regularização de áreas risco (favelas), canalização de córregos e do rio Aricanduva, além da verticalização. Zona Leste 2 A Região Leste Dois de São Paulo é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras do Itaim Paulista, de Guaianases, de São Miguel Paulista e da Cidade Tiradentes. De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1 169 815 habitantes e renda média por habitante de 625,26 reais.[4] É a região com renda per capita mais baixa do município, com pior infraestrutura, com a maior incidência de pobreza (63,9% da população) e com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Zona Sudeste A Região Sudeste de São Paulo é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras da Mooca, de Aricanduva, de Sapopemba, de Vila Prudente e do Ipiranga. Forma, com as Zonas Leste Um e Dois, a macro-zona conhecida simplesmente como Zona Leste, à exceção da subprefeitura do Ipiranga.[5] De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1 522 997 habitantes e renda média por habitante de 2 441,40 reais.[6] É a região mais desenvolvida da Zona Leste do município, com melhor urbanização, verticalização, infraestrutura, e bairros nobres, como o Jardim Avelino. Perfil social, econômico e de infraestrutura Popularmente, a Zona Leste é vista como a "periferia de São Paulo"[7] algo que não faz mais sentido com a região, que nos últimos anos, tem tido uma mudança de perfil econômico em vários distritos, principalmente os mais próximos do centro[8], como exemplo os distritos de: Água Rasa, Belém, Carrão, Mooca, Tatuapé, Vila Formosa, Vila Prudente e parcialmente os distritos de Aricanduva, Penha, São Lucas e Vila Matilde. Esses distritos, formam uma "fronteira social" fazendo a Zona Leste se dividir entre os distritos com maior infra-estrutura, e com os menos desenvolvidos. Já os distritos da Zona Leste mais distantes do centro, é comum serem chamados de "Periferia da Zona Leste" algo que já faz mais sentido, mas apesar disso, ainda não é possível saber a real desigualdade da Zona Leste[9], já que mesmo nos distritos que são realmente periféricos, é possível encontrar bairros de classe média.[10] De acordo com ArchDaily, 10 dos 20 distritos com pior IDH de São Paulo estão na região,[11] enquanto somente o distrito do Tatuapé está entre os 20 melhores. Quatro dos cinco distritos com média salarial mais baixa também estão na região (Lajeado, Guaianases, Jardim Helena, e Artur Alvim).[12] A Zona Leste também é a região menos arborizada da cidade, com uma cobertura vegetal de apenas 11%[13] enquanto detém um terço da população paulistana. Apesar disso também é a região onde se localiza o Parque do Carmo, o maior do município de São Paulo, além do Parque Ecológico do Tietê. Em termos de infraestrutura, a região é atendida pelas linhas 3 e 15 do Metrô de São Paulo e pelas linhas 11, 12 e 13 da CPTM. Dois dos mais importantes eixos de desenvolvimento da região são o Jardim Anália Franco, localizado no distrito de Vila Formosa, e o recente Eixo Platina, no Tatuapé, onde está localizado o edifício mais alto de São Paulo (Platina 220). A região sedia a Escola de Artes Ciências e Humanidades da USP (EACH/USP) e o Instituto das Cidades da Universidade Federal de São Paulo (IC/UNIFESP). Divisão geográfica Na divisão geográfica do município, chama-se "região leste" à área 4, compreendida entre a Av. Sapopemba, a Radial Leste, a Av. Salim Farah Maluf e o limite do município. Esta região é representada pelas cores vermelha (Zona Leste), amarela (Zona Nordeste) e verde (Zona Sudeste) nas placas de rua e nos ônibus e microônibus urbanos que circulam na região.

Ver mais

Comodidades do imóvel

  • Sala
  • Armário Cozinha
  • Andar Alto
  • Armário Banheiro
  • Armário Home Theater
  • Lavanderia
  • Cozinha
  • Sala de Jantar

Comodidades do condomínio

  • Portaria 24h
  • Elevador
  • Salão com Jogos
  • Quadra Poliesportiva
  • Playground
  • Portão Eletrônico
  • Elevador com Gerador

Sobre a imobiliária Decidir Empreendimentos Imobiliários

Temos paixão por imóveis e por transformar a vida das pessoas! Procuramos levar o melhor atendimento e as melhores opções de imóvel para cada um dos nossos clientes.

A Decidir Empreendimentos Imobiliários possui as melhores opções de venda e locação da região!

Logo da imobiliária Decidir Empreendimentos Imobiliários

Por que escolher a Decidir Empreendimentos Imobiliários?

Envie sua proposta, faça simulação de crédito e assine o contrato sem sair de casa.

  • Equipe especializada

    Você conta com o apoio e com o auxílio de profissionais nos processos da escolha do seu imóvel.

    Saiba mais
  • Sem burocracia

    Envie propostas e assine o contrato pelo seu celular ou computador com toda a segurança que você precisa.

    Saiba mais
  • Processo ágil

    Após a aprovação da documentação, seu contrato é emitido de maneira rápida.

    Saiba mais
  • Simulação de financiamento

    Com o Arbo Cred, você consulta as possibilidades de crédito para a compra de seu imóvel em diversos bancos, em um único lugar e de uma só vez.

    Saiba mais
Veja outros imóveis nesta regiãoVeja outros imóveis em Vila São Geraldo e região

VendaR$ 330.000

CondomínioR$ 717

IPTU mensalR$ 90

2 pessoas estão olhando este imóvel
Salvar
Compartilhar